Wednesday, August 15, 2012

Café Científico Salvador discute contribuições de uma das áreas de pesquisa mais relevantes da última década para a compreensão da relação entre parasitas e hospedeiros.

Café Científico Salvador - 24/08/2012 - 18:00

Local: Auditório da Biblioteca Pública do Estado da Bahia (Biblioteca dos Barris), Rua General Labatut, 27, Barris, Salvador-BA  


Genômica funcional gera avanços no estudo da interação parasito-hospedeiro?

Patrícia S. T. Veras (FIOCRUZ)


Leishmanioses são doenças tropicais negligenciadas que se encontram disseminadas em todo o globo. Essas doenças são causadas pelo parasito Leishmania spp., que é transmitido ao homem pela picada do inseto vetor. As leishmanioses podem se manifestar em diferentes apresentações clínicas: a forma tegumentar, que pode ser cutânea ou mucocutânea, e na forma visceral. O aparecimento dessas manifestações depende da espécie e virulência do parasito e da resposta imune do hospedeiro. Genômica funcional, proteômica e, mais recentemente, sequenciamento de RNA são ferramentas em larga escala que vêm sendo utilizadas para compreender os mecanismos envolvidos em resistência e susceptibilidade na infecção por parasitos, incluindo Leishmania. Em nosso laboratório, utilizamos abordagens em larga escala para identificação de possíveis biomarcadores de doença, assim como alvos para intervenção imunoterápica e quimioterápica no controle da infecção por Leishmania, utilizando um modelo murino de leishmaniose tegumentar. Inicialmente, empregamos genômica funcional, que consiste na identificação de um conjunto amplo de genes expressos por uma determinada célula. Assim, utilizando o microarranjo de DNA, genes expressos pela célula hospedeira em resposta à infecção foram identificados. Adicionalmente, a proteômica permite a identificação do conjunto de proteínas presentes em células. O conjunto de proteínas expresso por células do hospedeiro em resposta à infecção por Leishmania foi identificado. Os genes e proteínas identificados foram organizados em redes biológicas funcionais para evidenciar seu possível papel no curso da infecção. Finalmente, algumas das proteínas identificadas por proteômica foram usadas como alvo para intervenção quimioterápica. A modulação de alguns desses alvos levou ao controle da infecção in vitro por Leishmania. Em conjunto, esses achados mostram que abordagens em larga escala são ferramentas úteis para estabelecer hipóteses sobre os mecanismos envolvidos na determinação do curso de infecções e a proteômica se mostrou como uma ferramenta útil na identificação de alvos para intervenção quimioterápica.


Para ler mais:
Barbosa, E. B.; Vidotto, A.; Polachini, G. M.; Henrique, T.; Marqui, A. B. T. & Tajara, E. H. Proteômica: metodologias e aplicações no estudo de doenças humanas. Rev Assoc Med Bras 2012; 58(3):366-375.

Barra, G. B.; Caixeta, M. C. S. A. S.; Costa, P. G. G.; Sousa, C. F. & Velasco, L. F. R. Diagnóstico molecular – passado, presente e futuro. RBAC. 2011;43(3):254-60.

Rosa, G. J. M.; Rocha, L. B. & Furlan, L. R. Estudos de expressão gênica utilizando-se microarrays: delineamento, análise, e aplicações na pesquisa zootécnica. R. Bras. Zootec., v.36, suplemento especial, p.185-209, 2007.

2 comments:

Charbel El-Hani e Ana Carolina Sá said...
This comment has been removed by the author.
Santos Júnior said...

Eu gostei muito da iniciativa de vocês, mas gostaria de acrescentar:
permitam que as pessoas sigam ao blog de vocês, pois assim ficará mais fácil receber atualizações.
Obrigado

Vamos fazer ciência, pois essa é a hora.